sábado, 26 de setembro de 2020

Surge a ASLA


   A Cultura Santabrigidense ganha um novo aliado, surge a ASLA (Academia Santabrigidense de Letras e Artes). Na manhã ensolarada deste sábado, 19 de setembro, às 09:00 horas na Câmara Municipal de Vereadores de Santa Brígida – BA, reuniram-se vários intelectos literários/culturais. Intelectuais esses, que há algum tempo vem pondo a literatura Santabrigidense em destaque. Desta feita, unidos em comunhão de um só objetivo: criarem a primeira Academia de Letras e Artes da história de Santa Brígida, e criaram! Estiveram presentes na reunião de Fundação da ASLA, representantes de vários segmentos culturais do município: Cultura Religiosa de Zé Vigário do Bandeira, Grupo Cultural Mineiro Pau – Mané de Dão, cordelistas, repentista, artesãos e pedagogos (as). A reunião foi presidida pelo poeta e Imortal (Membro Correspondente da Academia de Letras de Paulo Afonso – ALPA): Marcos Antônio Lima. Após as diretrizes peculiares aos acadêmicos, tais como leitura e aprovação do Estatuto, ficou assim composta a Diretoria da ASLA para o biênio 2021 – 2022: Marcos Antônio Pereira de Lima (Presidente): Vice – Presidente: Alexsandro de Lima Pereira: 1º Secretário: Denílson de Souza Santos: 2º Secretário: Jhonatas Pereira Magalhães: 1º Tesoureiro: Mario Henrique Lopes Moura: 2º Tesoureiro: José Batista de Lima Silva. Conselho Fiscal: 1º Titular Presidente: Rosalvo Vieira Santiago: 2º Titular: Maria de Lourdes da Cruz Sá: 3º Titular: Adrian da Silva Santos, Suplentes: 1º Suplente: Marizélia Ribeiro de Barros, 2º Suplente: José Santana da Silva, e por fim, o 3ª Suplente: José dos Santos Braga. Eis que, sendo a ALPA uma jovem de 15 Anos, seria a ASLA a sua Primogênita? Seja como for, o certo é que a Academia Santabrigidenses de Letras & Artes é composta por homens, mulheres e jovens que têm uma estrela no lugar do coração. Vida Longa à ASLA! Santa Brígida Imortal, Imortal.

  

Marcos Antônio Lima.













domingo, 30 de agosto de 2020

 


Reminiscências Pauloafonsina.

 Me veio no fio da memória Pauloafonsina

Lampejos de sua história, no roncar das usinas

Recordo que debaixo do Canal da PA IV passei

Ainda sem a magnitude de suas águas, o apreciei.

Sou cidadão pauloafonsino, sim senhor

Que vai da simplicidade ao sofisticado,

Da bonança de fartura ao penhor

Sou do povo escriba emponderado.

 Em teu solo vivi o melhor da infância

Que ainda abrigo no meu jeito criança

Nunca fui de confusão nem de briga

Sou de paz e não tenho um rei na barriga. 

                                                                                                        Seria verdade dizer que fiz estripulias

Lembro do tempo em que pulava

O muro da Chesf e mangas furtava

Nas Mangueiras longe dos olhos do vigia.

Transformava travessuras em aventuras,

Apesar do sufoco das carreiras

As mangas rosas, feito o beijo roubado,

Tinham o álacre sabor de pecado

E eram mais deliciosas que as da feira. 

São recordações a causar certo apogeu

Desde as tardes dançantes no COPA

As nostálgicas matinês no Cine Coliseu

E as Pastorinhas na Praça da Matriz?

Umas do azul outras do encarnado

Eram meninas com performance de atriz

Espalhando fantasia de sonho encantado

Animadas pelo saudoso Gilberto Leal

Que das quermesses tornou-se imortal. 

Os meus esmaecidos olhos não cansam

De apreciar a tua garbosa beleza,

Esmero da mão divina, e arte da natureza.

Paulo Afonso de sol intenso e calor

Que ilumina a vida e dar cor

A magnitude das Caraibeiras. 

A Forquilha de terra batida de outrora

Dera lugar ao asfalto, a energia que aflora.

Se fico longe de ti, oh, Paulo Afonso

A saudade me maltrata e devora.

 Foi em teu Modernismo que nasci

Em tua cultura de letras me criei

Em teu mural de poesias escrevi

Os poemas que mais amei.

 

Marcos Antônio Lima


terça-feira, 4 de agosto de 2020

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O IIº ENCONTRO DE ESCRITORES SANTABRIGIDENSES & CONVIDADOS.



“Escrever é meu jeito de ficar aqui. Cada texto é uma semente. Depois que eu for, elas ficarão. Quem sabe se transformarão em árvores. Torço que sejam ipês-amarelos... Rubem Alves.”

IIº ENCONTRO DE ESCRITORES SANTABRIGIDENSES & CONVIDADOS

 

REGULAMENTO

 

É do conhecimento de nossa sociedade que o ato de ler e escrever traz muita significância para a vida de cada cidadão.

Pensando na necessidade de se “ficar um pouco mais por aqui”, nós, organizadores estamos lançando o Edital para o IIº Encontro de Escritores Santabrigidenses & Convidados. Esse continuará sendo um espaço onde novos sonhos criarão asas, novos escritores surgirão e os renomados se consolidarão ainda mais na produção literária.

1º - O tema será livre, podendo o (a) escritor (a) propor um Conto, Cordel, Crônica, Pensamento ou Poema.

2º - Todos os textos devem ser enviados até o dia 30/09/2020, acompanhados de uma biografia reduzida de no máximo oito linhas e foto de rosto.

 

DA INSCRIÇÃO:

3º - Poderá participar da Antologia toda pessoa física maior de 18 anos, brasileira ou estrangeira. Caso o (a) participante seja menor de idade deverá ser assinado um termo de autorização pelo responsável (ANEXO II).

4º - A inscrição se dará com o aceite por escrito, da ficha de inscrição (Anexo I), documento que será preenchido, assinado, escaneado, e enviado ao e-mail: encontroescritoressantabrigidenses@outlook.com

5º - A Comissão Organizadora será responsável pelo recebimento dos textos e valores das cotas dos livros para acertar com a Editora e Gráfica.

6º - Serão aceitos somente textos em Língua Portuguesa.

7º - A gráfica selecionada pela Comissão Organizadora desta Antologia estará realizando a edição da obra conforme seus padrões editoriais, estando a Antologia e seus participantes sujeitos aos serviços e prazo da mesma.

8º - Os textos serão enviados ao e-mail: encontroescritoressantabrigidenses@outlook.com, nas seguintes especificações:

Papel A 4

Até 1,500 caracteres

Fonte Time New Roman, 12

Espaçamento simples

1,5 cm de margem

9º - O período para o recebimento dos textos será de 03/08/2020 a 30/09/2020.

10º - O (A) participante que desistir da Antologia não terá a devolução do valor efetuado.

11º - Não havendo o pagamento do valor, o texto será excluído da Antologia.

12º - Será cobrada uma taxa no valor de R$: 30,00. O valor deve ser depositado em uma das seguintes Contas Poupanças:

BANCO DO BRASIL

AGÊNCIA: 0621-1

CONTA POUPANÇA: 60.562-0

MARCOS ANTÔNIO PEREIRA DE LIMA

 

BANCO BRADESCO

AGÊNCIA: 3052-0

CONTA POUPANÇA: 1011650-3

MARIA LUCILENE DOS SANTOS

 

13º - Em caso de fraude comprovada, ou seja, plágio, o texto será excluído automaticamente da Antologia, sem prejuízo para os organizadores.

14º - Para todos os efeitos legais, os (as) participantes da presente antologia declaram ser os (as) legítimos (as) autores (as) dos textos inscritos, isentando os organizadores de qualquer reclamação ou demanda que por ventura venha a ser apresentada em juízo ou fora dele.

15º - A revisão Gramatical das produções ficará a cargo do escritor (a) e não da Comissão Organizadora.

16º - Os organizadores reservar-se-ão ao direito de alterar qualquer item desta Antologia, bem como interrompê-la, se necessário for fazendo a comunicação expressa para os (as) participantes e devolvendo o valor depositado pelo (a) participante.

17º - O lançamento da Antologia será no dia 20 de novembro/2020 na Câmara Municipal de Vereadores – Praça Raimundo Santana Gomes na cidade de Santa Brígida – BA, as 09h00min.

18º - A participação nesta Antologia implica aceitação total e irrestrita de todos os itens deste regulamento.

19º - Cada participante terá direito a 1 Exemplar da Antologia + Certificado de Participação – Os livros restantes serão vendidos em prol da produção da I Antologia de Escritores Santabrigidenses & Convidados.

20º - O participante que morar fora do Estado da Bahia poderá receber o seu exemplar + Certificado de Participação via Correios, mediante o pagamento da TAXA DE ENVIO através do endereço indicado na ficha de inscrição.

 

Comissão Organizadora

Marcos Antônio Lima

Membro Correspondente da Academia de Letras de Paulo Afonso (ALPA)

Membro Fundador da ASLA (Academia Santabrigidense de Letras e Artes)

Mário Henrique Lopes Moura

Escritor, Poeta e Coordenador Pedagógico do Centro Educacional Zenor Pereira Teixeira.

 Marivônia Marques

Secretária de Cultura & Turismo de Santa Brígida – BA

 SELIGANAMUSICA® – Membro Fundador da ASLA

domingo, 19 de julho de 2020

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A 1ª ANTOLOGIA DE POETA DE PAULO AFONSO

1ª ANTOLOGIA DE POETAS PAULOAFONSINOS vai reunir, nessa primeira edição, poetas e poetisas que apresentam suas criações em um dos seguintes temas:
a)     – Rio São Francisco
b)     – Paulo Afonso
c)      – tema livre

Os poemas devem ser enviados para email: antologiadepoetasdepauloafonso@gmail.com digitados em Times New Roman, fonte 12 espaço simples, até o dia 31/07/2020.
Lançamento: 05 de novembro/2020 (Aniversário de 15 anos da ALPA)

2.VALOR E FORMAS DE PAGAMENTO
Cada autor terá um custo de R$50,00 (cinquenta reais) que poderá ser depositado no banco SICOOB AG : 3017 Conta: 2714388 (Maria do Socorro A. Nascimento) ou Banco do Brasil: AG. 4225-0 Conta Corrente: 32700-X (Antônio Galdino da Silva) 

3. DIREITOS DO AUTOR
•O autor participante receberá 3 exemplares do livro;
•Exemplares extras poderão ser adquiridos ao preço individual de R$20,00.
•Cada autor poderá participar com dois poemas, sendo cada um com uma página, ou com um poema que ocupe até duas páginas;

4. FOTOGRAFIA PARA DIVULGAÇÃO
Junto com o poema o seu autor encaminhará para a ALPA uma foto de boa qualidade e uma pequena biografia (máximo 6 linhas) que serão publicadas junto com o(s) seu(s) poema(s).  A foto será reproduzida em preto e branco ou tons de cinza e deve ter essas características:
1) Olhar fixo para a câmera;
2) Resolução adequada, (pelo menos 500 Kbytes de memória);
3) Colorida;
4) Individual;
5) Sem portar objetos;
6) Sem elementos que causem poluição visual no fundo da imagem.

OBS:
•A participação do autor só será confirmada após envio do poema, juntamente com a ficha de inscrição e dos comprovantes de pagamento e de residência ou naturalidade.( mora ou nasceu em P.Afonso ).
•O envio dos textos deverá ser feito até o dia 31 de julho de 2020 para o e-mail:
 antologiadepoetasdepauloafonso@gmail.com 
Solicite sua ficha de inscrição pelo zap (75) 98814-8756
•Em caso de desistência a ALPA reserva-se o direito de restituir somente 50% do valor da inscrição.

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Desabafo


O meu amor não conhece
O sibilar do bom senso,
Assim como o bom senso
Não a conhece.

Ao meu amor, eu vos digo;
Faça eu o que fizer;
Nem que amalgame o universo
Ente os meus dedos...

Mesmo que tenha
Estrelas no céu da boca,
Para os seus lábios beijar,
Nunca seria o bastante.

Ame eu o quanto te amar;
Mesmo que proliferem flores
Em meu destro jardim coração...

Nunca seriam suficientes;
Então me diga amor meu;
Valho a pena...
Amar-me?


Marcos Antônio Lima

terça-feira, 31 de março de 2020

AVENTUREIROS




Somos pequenos aventureiros,
Que viajamos no mundo da imaginação,
Sempre lendo livros novos,
Com muita dedicação.

Nosso grupo faz leitura,
Com total desenvoltura,
Criando nossos poemas,
Com alegria e cultura.

Faça parte desse grupo,
Tão importante ele é,
Com apoia da tia Lúcia,
Grandioso ele é.

Stefany Lohane

segunda-feira, 30 de março de 2020

Sonhado acordado




No leito, pela fresta da telha
Eu a observar as estrelas
Sentindo a paixão arder no peito
Mesmo quando de longe, posso vê-la.

E constatar o quanto és linda e sublime
Havia um fulgor deferente em seu olhar
Aquele brilho de quem ama, e não quer amar
Desconhecendo que só o amor redime.

Talvez, um dia qualquer
Num lampejo de coragem
Eu me declare para essa mulher.

Ao pé do ouvido perguntarei: meu bem me querer?
Tomarei seus lábios como sol toma a aragem
E quem sabe ela me ame no alvorecer?

Marcos Antônio Lima

De Gameleira à Colônia, Uma saga nordestina.


De Gameleira à Colônia 
Uma saga nordestina 
Autor:
 Marcos Antônio Lima 

Sinopse:

Foi no árido cenário do Distrito de Mariana, “um grão de areia” na vastidão do sertão pernambucano onde foi acesa a centelha dessa história... – Corre que o menino tá nascendo – Gritou dona Estelita em meio à balbúrdia que antecede ao parto. As “lamparinas do sertão”, como eram conhecidas as parteiras da época. Ali, naquele dia 16 de julho de 1922 nascia Apolinário Domingos Neto, um “cafuzo”, descendente de índio com negro, Filho de Manoel Domingos da Silva, e de Dona Maria Paulina de Jesus, Apolinário significa “consagrado a Apolo” e Domingos “o que pertence ao senhor”, o Neto herdou da descendência do avô. Ainda muito pequenino Apolinário fora abandonado pela mãe, e passou a ser criado à base de leite de cabra, pela avó materna. Mal sabia Dona Maria Paulina que aquele garoto estava predestinado pelo condão, a ser o grande e carismático líder dos gameleiros, e braço direito do “misterioso” Curador Pedro Batista. Um Conselheiro andarilho que pregava o bem e expulsava o mal, chegando a ser comparado com a própria encarnação do Padre Cícero. O encontro de Apolinário com o beato mudou completamente o rumo de seu destino. Aquele Curador demonstrava ser um homem santo, que conseguia colocar a chama da fé, incrustada em todos aqueles que o cercava, provando para os romeiros, através dos milagres que realizava ser ele uma pessoa de Deus. A religiosidade romeira sempre fora muito explicita nos sertões, e Apolinário Domingos Neto, um cafuzo pernambucano numa terra inexplorada e completamente bravia, onde o perigo parecia estar de tocaia detrás de uma árvore.




Vem aí... IIº Encontro de Escritores Santabrigidenses & Convidados.


Vem aí, o IIº Encontro de Escritores Santabrigidenses & Convidados. As inscrições serão abertas em junho. AGUARDEM! 

domingo, 8 de março de 2020

Marias



Hã vida minha...
Que respira no fôlego das letras
Em  minhas narinas de augure.
Inalando a fragrância do amor exposto
Em prateleiras de cristais,
Dos amores prepostos,
Na candura de Maria.

Hã candura minha...
És impávida e efêmera.
Condizente ao sereno amor vertente
Nas cascatas azuis reluzentes,
No fulgor dos olhos de Maria.

Hã Marias minhas...
Hei de poder ouvir um pouco mais
O seu cantarolar sussurrante
A fertilizar a linha do pensamento
Aflorando o sentimento de á vida poetizar.

Há vida minha...
Hei de sentir por, mas tempo.
O sibilar dos ventos,
Nas folhas das árvores a farfalhar.
Hei de vislumbrar nas alvoradas de brisa
A beleza estonteante de Maria.

Há vida minha. Prometo que antes de partir,
As minhas Marias sempre hei de amar.
Deixando intocável o meu sorrir,
Perfumando de carme o meu sonhar.

Elas, Marias permanecerão fúlvida
Nos versos do onírico poeta.
Quão densas, quanto angelicais.
Retratando o idílico amor colibri,
Das Marias dos meus reversos imortais.


Destaque

Surge a ASLA